Páginas

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

PSSICA

A barbárie que impera na região Norte do Brasil está descrita com detalhes assustadores em Pssica, romance do paraense Edyr Augusto. Em uma terra sem lei, ou melhor, em uma terra onde vigora a lei do mais forte, a vida não vale um centavo furado. Trafico de escravas brancas, roubo de cargas, ineficiência policial, crimes sexuais, assassinatos por motivo fútil, drogas – a violência não possui limites. 

Tendo como pano de fundo Belém do Pará e algumas cidades da região de Marajó (Soure, Breves, Portel e Melgaço), o eixo principal de Pssica consiste no desencontro afetivo entre um marginal de terceira classe, Jonas de Lima, vulgo Preá, e a adolescente Janalice. Em paralelo, correm as histórias de Amadeu, policial aposentado, Manuel Tourinho, o angolano, e dezenas de personagens secundários – que entram e saem da narrativa com uma velocidade assustadora.

Edyr Augusto
Tudo começou quando Fenque colocou na Internet um vídeo de sexo com a namorada, Janalice, 14 anos. O pai da menina, enfurecido, expulsa a filha de casa, que passa a viver com uma tia. O que se segue é o inominável. Além de ser violentada pelo marido da tia, ela se envolve com personagens do submundo de Belém. Um dia foi raptada por uma quadrilha especializada em prostituição – o resto de sua vida se resume em degradação, física e mental.

Com a morte de Vailson de Lima, o Tabaco, Preá herda a quadrilha do pai. Mas, falta-lhe experiência e sensatez para sobreviver em um mundo apocalíptico. De qualquer forma, em uma festa na casa de Cosme de Barros, vulgo Barrão, prefeito de Breves, conhece, no sentido bíblico, Jane, ou melhor, Janalice. Foi amor à primeira vista. Tentou comprar a menina. Esforço inútil. As complicações seguintes são consequência direta dessa paixão.

Transporte comum na região de Marajó
Depois que Janalice desapareceu, o pai da menina contrata Amadeu para tentar localizá-la. Ao mesmo tempo em que ele descobre que ela está sendo mantido em cativeiro pela rede de prostituição, torna-se um alvo fácil. O mesmo vale para o angolano Manuel Tourinho, que deseja vingar a morte de sua esposa. Ninguém mexe em vespeiro impunemente.

Pssica é uma espécie de maldição, uma praga.  E serve para confirmar que a traição é uma constante em uma terra onde os banhos de sangue são a norma. Nenhum dos personagens da narrativa entende os preceitos éticos elementares da civilização. A corrupção, a cobiça e a selvageria são os motores que os conduzem na direção do horror. O único princípio que quase todos respeitam é a necessidade de sobreviver. Mas, mesmo assim, em um mundo dominado por monstros, há exceções. Ou seja, as normas de convivência social são regidas por regras especiais. Quem não está a serviço do crime, precisa ser eliminado. Simples assim.

A região de Marajó é extremamente pobre
Pssica tem apenas 92 páginas. Essa brevidade (que em outro autor provavelmente se desenvolveria em, no mínimo, 300 páginas) está diretamente relacionada com o negar da elaboração de um enredo mais consistente. Edyr Augusto prefere que suas histórias sejam construídas com velocidade narrativa e falta de cuidado com a carpintaria literária. Usando e abusando das elipses e dos palavrões, quer – de alguma maneira – se aproximar da linguagem coloquial. Em síntese,os detalhes são eliminados (na medida do possível) e a espinha dorsal da narrativa se projeta como elemento principal. Um exemplo dessa estratégia está no fato que cada um dos 17 capítulos não abrange mais do que cinco páginas.


TRECHO ESCOLHIDO

Alberto Alcântara estava ao telefone com o secretário de Segurança. Puta que pariu, Oswaldo! Que merda vocês foram fazer! O Gov tá puto da vida e eu é que escuto. Quem mandou esses teus porras a Breves prender o Barrão? Tá uma cagada na cidade! Prendeu até vereador, sem mandado, porra nenhuma. A cidade está revoltada. E eu é que escuto! Esse pessoal pensa o quê? Tem que ter lei, porra. Manda soltar, porra. Manda soltar e eu nem quero saber como. Dá teu jeito! Tá bom. Deixa comigo. Me dá noticias boas disso, tá? Tá. Oswaldo Dias tentou ligar para Ed Paulo. Nada. Estavam no meio da baía. Ligou para Alberto. Nada ainda. Não faz conexão. Fora de área. Estão no meio da baía e, olha, vê se liga pro superintendente aí porque tem federal no meio e eles são metidos à merda. Deixa comigo. Eu vou é por Brasília.

Orlando bem que tentou, mas não conseguiu chegar perto da área de desembarque dos presos. Todos embarcaram em algumas vans e foram alguns para a Seccional de São Brás, outros para a Superintendência da Polícia Federal, onde rapidamente foram soltos, embarcando em carros luxuosos sem dar entrevistas. Camões e Ed Paulo foram suspensos de suas funções e proibidos de falar ao público. Enquanto isso, o corpo de Sapo era removido da cela onde se encontrava. Foi estrangulado com um arame. Jesuíno, o Podrera, que estava preso com ele, confessou ser o autor. Um desentendimento.

Orlando não sabia o que dizer. Teria sido uma “barriga” a denuncia? Ah, mas que havia algo estranho nisso, havia. Tentou ligar para Amadeu. Fora de área. Ou tocava e não atendia. Dois dias depois, os jornais mostravam fotos do retorno triunfal de Barrão a Breves, carregado pela multidão. Havia sido enredado em uma trama da qual nada tinha a ver e voltava com o aval do governador, seu grande aliado.