Páginas

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

ENFIM, CAPIVARAS



A curiosidade acompanha a leitura. A escolha do leitor por um livro depende de muitos fatores. Se houver algum “plus” agregado ao texto, as opções se tornam mais fáceis. E isso significa, para o bem e para o mal, que a publicidade sempre faz parte da equação.

Enfim, Capivaras, romance infanto-juvenil ou para jovens adultos ou qualquer classificação que lhe caiba na (des)ordem do mundo literário, escrito por Luisa Geisler, foi impedido de participar da Feira do Livro de Nova Hartz, um pacato lugarejo do interior do Rio Grande do Sul (uns 21 mil habitantes). Além de cancelarem a participação da escritora, alegaram que a narrativa era inadequada para jovens: em especial pela linguagem.

Parece que os puritanos de plantão não gostaram de ler sobre as aventuras noturnas de cinco jovens entediados (Vanessa, Denis, José Luís, Leopoldo, Nicole), quer dizer, seis adolescentes, pois a presença de Amanda também está projetada na escuridão da noite. Em cidades pequenas, onde as opções de lazer são escassas, cabe à imaginação estabelecer lugares e afazeres que ajudem a eliminar o tédio, que reduzam a mesmice em – no mínimo – alguma história para contar em tempo futuro.

Quatro dos personagens resolvem desmascarar o mentiroso da turma. A gota d’água ocorre quando Binho (apelido de Denis) informa que possui uma capivara de estimação. Confrontado, o rapaz afirma que o animal fugiu. Evidentemente, essa explicação banal não convence. Como uma coisa puxa outra, os cinco saem a procurar do mamífero. Antes, como cabe aos aventureiros destemidos, passam em um supermercado e fazem algumas compras (salgadinhos, bolos, doces, coca-cola, vodka).

E o que acontece depois? Nada. Nada que seja estranho a esse tipo de situação. Um pequeno acidente de carro (ninguém ficou ferido), várias discussões, alguns acertos de contas e o estreitamento dos laços afetivos. Entre mortos e feridos todos conseguem atravessar a noite e ver o nascer do sol sem grandes danos físicos e psicológicos.

Se o livro segue esse tom, uma jornada pelos caminhos nem sempre lineares da amizade, qual é o problema de linguagem apontado pelos organizadores da Feira de Nova Hartz? Difícil saber. Talvez o moralismo provinciano não tenha uma compreensão objetiva do que significa, na modernidade, a necessidade do lazer como uma válvula de escape para a opressão social (relações familiares, estudo, trabalho). Talvez o valor da “linguagem” esteja na representação social de um modo de vida que as aparências sociais nem sempre querem admitir. O “real” assusta – principalmente aos que carregam o fardo da infelicidade.

Os palavrões, o uso descontrolado do álcool, a discussão (muito tênue) sobre sexualidade, o desnível econômico entre o filho do patrão e o filho da empregada, a filha da divorciada, o furto da capivara, o menino dirigindo sem CNH, constituem um esboço sutil (embora perceptível) da divisão social que projeta o cenário em que os personagens se movem. Ou melhor, do mundo em que os censores habitam. E eles, os censores, não gostaram de ver o reflexo no espelho.  



P.S: em relação à estrutura textual, Enfim, Capivaras está dividido em vários capítulos curtos. Os diversos personagens (exceto Binho e Amanda) se revezam na narração, fornecendo um dinamismo que aumenta o interesse do leitor.  

terça-feira, 15 de outubro de 2019

ARTUR AZEVEDO E AS CRÔNICAS DE COSTUMES



(...) os seus contos, as suas fantasias estavam ao alcance de todas as inteligências, e eram lidos, senão com avidez, ao menos com simpatia. 
Artur Azevedo, in Poverina


O tempo não perdoa. Alguns escritores (independente da contribuição histórica ou da qualidade literária) são transformados em referências historiográficas, verbetes de enciclopédias, curiosidades literárias. Nada mais do que isso. Classificados como “menores” ou “datados”, perdem leitores, desaparecem na poeira que soterra as bibliotecas.

Artur Nabantino Gonçalves de Azevedo (1855-1908) é um desses casos. Menos “famoso” do que seu irmão, Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo (1857-1913), teve importante papel no cenário cultural que abrange o II Império e o início da República. Foi, inclusive, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Sua produção literária se concentrou na dramaturgia (dramas, comédias, adaptações), o que não o impediu de escrever crônicas, contos, crítica literária e teatral. No plano político, defendeu o abolicionismo de forma incisiva.

A prosa e as peças de teatro estão publicadas em livros que se encontram fora de catálogo. Contos, volume 21 da coleção Obras Imortais da Nossa Literatura (Editora Três, 1973), fácil de ser encontrado em sebos, pode ser a oportunidade para diminuir a distância histórica e literária. São 46 narrativas breves. O ambiente e o conflito narrativo são descritos em poucas linhas. O desfecho aparece naturalmente, sem grandes efeitos estilísticos ou lições de moral. Essa simplicidade – aparente – esconde o domínio técnico, principalmente nos diálogos.

Como conto é tudo aquilo que dizemos ser conto, Artur Azevedo foi um bom cronista. São textos exemplares. Retratos de época. Em alguns momentos mostram que a sociedade carioca e, por extensão, brasileira – na transição do século XIX para o século XX – estava alicerçada na hipocrisia. Nada diferente da situação atual. A história civilizatória sempre se mostrou incapaz de mudar certos hábitos. Viver de aparência constitui a lógica da classe média, que anseia por estar em um patamar ilusório e, muitas vezes, não mede esforços para tentar concretizar esse projeto socioeconômico. Mero autoengano.

Em outros momentos, os contos/crônicas se concentram no inferno afetivo e econômico que caracteriza as relações amorosas. Embora não esteja explicito, o autor parece acreditar que o conceito de felicidade foi inventado para fraudar as emoções, sendo que o homem é a primeira vítima desse ardil. Em contrapartida, sugere que as mulheres são bonitas, sedutoras, infiéis, vaidosas e, em alguns casos, fúteis. Para melhor caracterizar essa visão, as separa em duas categorias: ou são jovens e esperam por marido ou são casadas e infiéis.

Essa visão masculina e machista está marcada em uma série de narrativas que relatam namoros complicados, pais que se metem na vida amorosa das filhas, casamentos arranjados e o adultério. No destaque, a volúpia feminina se apresenta como tema recorrente. José, personagem de A Não-me-toques, resume a tese: Enquanto foi solteira, achava minha mulher que nenhum homem era digno de ser seu marido; depois de casada (por conveniência) achou que todos eram dignos de ser seus amantes. Em X e W aparece um fetiche singular: Xisto, homem feio e pobre, mora na frente da casa de uma viúva, 30 anos, lindíssima. Um dia ele recebe um bilhete, convidando-o para atravessar a rua. Com receio e curiosidade, vai. Nos dias seguintes nenhuma notícia da pessoa amada. O mistério desaparece quando ele encontra Wladimir, que lhe conta que a viúva era uma colecionadora! A mulher tinha como propósito ter sexo com homens cujo nome iniciasse com todas as letras do alfabeto. Depois dos dois, estava faltando somente o K e o Y.

Em Black, o autor apresenta um estudo de caso e, no seu entender, a comprovação do argumento principal, ou seja, que as mulheres não são de confiança. Leandrinho, famoso bon-vivant, costumava frequentar a casa do Martins – mas, como perceberam os vizinhos, somente quando Martins não estava em casa. O único ingrediente estranho nessa aventura amorosa se chamava Black, um bull-terrier que latia com intensidade enquanto ocorriam os encontros furtivos. Para salvar as aparências e resolver problemas com a imagem social, Candinha (a esposa e amante) resolveu apresentar um ao outro em um sarau. A amizade se consolidou em 30 segundos: pareciam amigos de infância! Logo em seguida, houve o convite para que Leandrinho fosse cear com o casal no dia do aniversário de Candinha. No dia aprazado, o rapaz se apresentou para o convescote. (...) Black veio a correr lá de dentro, e começou a fazer muitas festas ao recém-chegado, saltando-lhe às pernas, lambendo-lhe as mãos, corcoveando, arfando, sacudindo a cauda irrequieta e curva. Ciente de que o cão não costumava proceder com tamanha intimidade com estranhos, (...) d. Candinha e Leandrinho foram postos na rua a pontapés valentemente aplicados.

As filigranas que envolvem a vida social também se fazem presentes nas narrativas de Artur Azevedo. Um exemplo singular é A Polêmica. Romualdo, jornalista desempregado, resolve procurar uma fonte de renda no comércio. Por isso vai procurar por Caldas, um amigo dos tempos colegiais. Foi bem recebido, mas... em ocupação diversa. O Caldas queria publicar um artigo em jornal contra um amigo comum, o Saraiva. Como não tinha capacidade para escrever, contratou o Romualdo. A necessidade de pagar as contas se impôs e o artigo foi redigido em poucos minutos. No dia seguinte, o texto estava estampado em páginas do Jornal do Comércio. E tudo estaria nos trilhos, se... se não tivesse recebido um bilhete do Saraiva. Ele queria ver o Romualdo com urgência. Sem poder fugir do chamado, foi. Mas foi com receio de ter sido descoberto. O alívio surgiu quando tomou conhecimento que Saraiva o queria contratar para escrever uma réplica ao artigo do Caldas. Quer dizer, uma réplica ao próprio artigo! Outra vez, lembrando os credores a bater em sua porta, se rendeu ao comércio literário. No dia seguinte, foi acordado pelo Caldas, que estava irritado pela replica. Enfim, durante um mês o pêndulo se fez presente. Cada um dos contendores queria contestar os argumentos do outro e o Romualdo a se esforçar para satisfazer o ego dos sujeitos. Com algum dinheiro no bolso e quase esgotado por tantas trocas de ofensas, Romualdo (...) foi gradualmente adoçando o tom dos artigos, fazendo, por conta própria, concessões recíprocas, lembrando a velha amizade, e com tanto engenho se houve, que os dois contendores se reconciliaram, acabando amigos e arrependidos de terem dito um ao outro coisas desagradáveis em letra de forma. Por fim, acabou empregado na firma de Caldas e esqueceu o jornalismo.

Outro momento hilário se apresenta em O galã. Ao ver o olhar apaixonado que a esposa dirigia ao protagonista de um espetáculo teatral, Brites convidou o ator para jantar: Quando, às seis horas da tarde, chegou o galã, ela não quis acreditar que era ele: (...) Tinha diante de si um homem feio, marcado de bexigas, os dentes postiços, o cabelo cortado à escovinha e a cara inteiramente raspada... de véspera”. (...) “E não sabia estar à mesa: repetia todos os pratos, metia a faca na boca, palitava os dentes, limpava a testa no guardanapo, escarrava, cuspia! A cena, no melhor estilo pastelão, clímax do embate entre a ilusão e a realidade, pode ser resumida em frase ligeiramente perversa: Sinhazinha estava pasmada e o Brites radiante.

Uma situação-limite se torna visível na medida em que o universo narrativo de Artur Azevedo se torna mais nítido: a existência de mulheres fortes e homens fracos. Entre o exemplo exagerado de Dona Eulália, que, entre outros agrados, bate no marido, e o ideal romântico que move o sujeito que protagoniza  Um capricho, há uma imensidão de maridos traídos, maridos que traem, trapaceiros, covardes, além dos desprovidos de inteligência intelectual e emocional. Uma multidão de homens com defeitos de fabricação. 

A gramática e a literatura são assuntos que não poderiam deixar de ser abordados. Em O gramático, Plebiscito e no atualíssimo As asneiras do Guedes, a falta de correção no falar e escrever são apontadas como exemplos da ignorância. Em História de um soneto e em Poverina, a literatura serve de moldura para depurar as relações amorosas, estabelecendo que o real  além do espanto, também possui encanto.    

As narrativas de Artur Azevedo estão enraizadas em solo urbano. Os personagens, em sua maioria, são funcionários públicos, comerciantes e alguns nobres. Sintomaticamente, os políticos estão à margem. As exceções são De Cima Para Baixo, onde a hierarquia se mostra ativa na procura por um culpado em uma falha burocrática, e o escatológico Pobres Liberais!

Para o narrador (sempre em terceira pessoa), as intrigas domésticas tecidas diante de seus olhos atentos devem ser reveladas ao público leitor – mas em uma linguagem que transforme o trágico em comédia. De preferência, nada muito escrachado, nada muito agressivo. O suficiente para mostrar o quanto o ridículo pontua as ações humanas. O suficiente para tentar esconder que entre os seus personagens se sobressaem mulheres fortes e homens fracos.

Descontadas as abordagens moderadas de alguns temas, ignorando o pudor romântico, aceitando a leveza narrativa e o humor simplório, é possível imaginar que Artur Azevedo foi, em seu tempo, uma espécie de Nelson Rodrigues avant la lettre.

domingo, 1 de setembro de 2019

A ÚLTIMA MULHER



Os leitores dos doze romances escritos por Luiz Alfredo Garcia-Roza nunca se decepcionaram com o delegado Espinosa. Em tempos grotescos e imorais, onde há confusão de identidade entre policiais e bandidos, entre inocentes e pecadores, a forma com que Espinosa observa o mundo parece fora de foco. Mais do que um funcionário público empenhado em desvendar crimes e mortes, o delegado valoriza a ética, as relações afetivas e o bom senso. 

A Última Mulher, difícil dizer de outra forma, é o episódio final da serie. Garcia-Roza, internado em um hospital, está em coma faz alguns meses. Sua esposa, Lívia, costuma atualizar a situação nas redes sociais. 

(...) algum dia tudo isso iria acabar e ele seria apenas uma sombra, um vestígio do que verdadeiramente havia sido: um bom policial. As palavras que concluem o romance curto (117 páginas) possuem sabor de despedida. Em uma narrativa em que o Delegado Espinosa atua como coadjuvante, essa observação soa como uma metáfora melancólica, como que a dizer que nada é permanente e que é hora de ceder o lugar para outros personagens, outras histórias, outros escritores.

Rita, a última mulher do título, protagoniza os episódios mais importantes da trama.

Acostumada com as asperezas da rua, onde costuma ganhar a vida vendendo o corpo, Rita encontra no cafetão Ratto o alicerce. Como as histórias de amor não costumam ter finais felizes, logo surge um obstáculo.

As coisas caminhavam bem, sem maiores conflitos, até o dia que a polícia notou que ele e o Japa prosperavam. Certa noite, sozinho em um beco escuro, sem possibilidade de pedir auxílio, Ratto foi abordado por um policial.

– Proxenetismo, aliciamento e corrupção de menores, formação de quadrilha. Você sabe o que isso significa, seu ratinho de merda? Você vai passar o resto da vida atrás das grades.

Ratto engoliu em seco e perguntou à voz miúda:

– O que nós podemos fazer para nada disso acontecer?

– Nós, não. Você. Te espero amanhã, nessa mesma hora, com cinquenta por cento da grana que tiraram no mês passado. Se eu perceber que estão tentando me enganar, vai ter sido a última vez. 


Toda a estrutura da narrativa está sintetizada nessa cena. O sócio de Ratto, conhecido como Japa, um advogado de porta de cadeia, vive bêbado 24 horas por dia. Eles costumam dividir a féria mensal, depositando uma parte em conta bancária (que é esvaziada de uma hora para outra, deixando Ratto sem um tostão).

Como Ratto não quer se tornar presa dos policiais, resolve desaparecer de cena. Aluga um quarto em um hotel vagabundo na Ladeira dos Tabajaras, tomando o maior cuidado para não chamar a atenção.

Sentindo a falta do parceiro, e temendo que alguma desgraça tenha acontecido, Rita resolve procurá-lo. Suas incursões na Lapa e em Copacabana, na Cinelândia e na Avenida Atlântica descrevem um Rio de Janeiro mítico, onde o submundo e a malandragem reinam. Infelizmente, essa é uma falsa impressão. No embate entre a transgressão e a corrupção, alguns elos da corrente costumam apresentar corrosão a todo instante. Isso significa que o leitor precisa acompanhar, ao longo do texto, várias mortes violentas. O mistério se adensa e fica difícil determinar o que acontecerá. A curiosidade faz com a leitura não seja interrompida.  

Nas escaramuças entre gato e rato, o desejo de destruição se apresenta como abismo. Enquanto Ratto se esconde – mas não de Rita ou de Espinosa, Wallace (esse é o nome do policial) está à espreita, preparando o bote final. E que não demora a acontecer. Nas histórias em que os marginalizados combatem as instituições, apesar do resultado favorável em algumas batalhas, o desfecho da guerra se torna previsível.

Uma onda maior que as demais fez Rita dar meia-volta e retornar com passos mais rápidos, voltando a cabeça repetidamente para trás. Em algum momento, trombou com um homem. No lado esquerdo as ondas passavam molhando a mureta; à direita, apenas a imensa pedra escura que subia dezenas de metros acima de seu corpo miúdo. Não tinha como fugir.

– Wallace manda lembranças – o homem disse.

Rita se desesperou e olhou para todos os lados à procura de Ratto, mas ele não estava lá.   


Luiz Alfredo Garcia-Roza


quarta-feira, 28 de agosto de 2019

ADIOS CUBA. BIENVENUE FRANCE!


A vida de quem optou por ser “meio intelectual, meio de esquerda”, como definiu o Antônio Prata, nunca foi fácil. Houve um tempo em que os fascistas adoravam me mandar para Cuba. Adoravam. Sempre agradeci a honra. Parece ser um bom destino turístico, a oportunidade ideal para conhecer – ao vivo e em cores – aqueles cenários descritos com intensidade nos romances de Guillermo Cabrera Infante, José Lezama Lima e Leonardo Padura Fuentes.

Habana Vieja

Fascinado com a ideia, ciente de minhas limitações econômicas, solicitei – humildemente – que vários desses próceres da democracia brasileira contribuíssem com “algum” para pagar as passagens, a hospedagem e os mojitos e daiquiris que pretendia beber no El Floridita e no La Bodeguita del Medio. Será que estava pedindo muito? Houve quem discordasse do meu pedido, dizendo (ou melhor, gritando) que, se o meu objetivo era visitar a Disneylândia dos comunistas, que viajasse por conta própria, pagando cada centavo de meu desatino. Triste, pavorosamente triste. Em lugar de se livrarem de mim por dois ou três meses, sim, eu sei que é pouco tempo, mas temos que trabalhar com o possível quando o ideal está distante, essa gente que cultiva o ódio em seus corações de pedrinha brilhante e sem valor respondeu ao apelo singelo e sincero com adjetivos criativos: “esquerdinha caviar”, “pequeno burguês”, “traidor da miséria” e outros alegres confeitos, alguns, inclusive, fazendo menção às alegrias que porventura incendiaram a vida pregressa da senhora minha mãe.



Então, temporariamente, resolvi adiar a visita a El Molecón, Varadero e Pinar del Rio. Queria me perder nos labirintos de Habana Vieja e me encontrar na Plaza de La Revolución. Tudo isso ao som das músicas de Silvio Rodríguez, Bola de Nieve ou do Habana Social Club. Também ambicionava contrastar o sul do oceano Atlântico com as águas do Caribe. Deixarei de contar (escrever) algumas histórias e não comprarei os livros que me obrigarão a pagar excesso de bagagem nos aeroportos. São muitas perdas – difíceis de contabilizar – nesse catálogo de prejuízos emocionais.   

Quando estava quase acreditando que a bondade humana não passa de uma utopia rota e desgastada pelo egoísmo, recebi uma mensagem dizendo: “agora melhorou para você”. Anexo, um arquivo em que um desses malucos de plantão mandava os desafetos para... Paris! 

Allons enfants de la Patrie / Le jour de gloire est arrivé!, declamei em alto e bom som!


A troca de farpas entre dois políticos renovou minhas esperanças de viajar. Imediatamente se abriram as portas para criar alguma campanha de crowdfunding. Seria bárbaro (no bom sentido) passear pelas ruas da “cidade luz”. Imaginei longas caminhadas por Saint German des Pres. Sonhei com visitas ao Musée D’Orsay e ao Père-Lachaise – de onde postaria fotos dos túmulos de Balzac, Proust, Oscar Wilde e Jim Morrison. Comprar livros na Shakespeare and Company poderá ser evento trivial. Imprescindível assistir algum show no Folies Bergere – simulando aquelas cenas que Henri de Toulouse-Lautrec imprimiu no imaginário contemporâneo. Igualmente indispensável será frequentar o Les Deux Magots, onde poderei beber inúmeras taças de Bordeaux. Doses de cognac, armagnac e pernod também estão nos planos, possivelmente em algum bistrô simpático localizado nas margens do Sena.

Como vantagem adicional, a França fica (mais ou menos) perto de cidades que eu gostaria de conhecer, como Dubrovnik (Croácia), Toledo (Espanha) e Copenhagen (Dinamarca). Na Gare du Nord as distâncias desaparecem e os trens alimentam os sonhos.

Evidentemente, tudo isso é parte de um projeto elaborado por um sujeito deslumbrado, desses que conhecem a Europa apenas em gravuras e mapas (quer dizer... mas isso é assunto para outra hora). Quem pode condenar essa joie de vivre?

Musée D’Orsay

Dando prosseguimento ao plano, começo a pensar em distribuir panfletos virtuais pela Internet afora, na vã expectativa de que algumas almas sejam sensíveis com esse desejo suburbano e contribuam financeiramente para impulsionar o meu temporário exílio em território d’além mar.

Um empecilho é o domínio do idioma. Je ne parle pas français. Aquelas aulas que não frequentei na Alliance Française, quando morei em Florianópolis, farão falta. Outra dificuldade será a moradia. Aos exilados cabe se perder em algum “arrondissement” lá nos cafundós, bem perto de onde Judas perdeu as botas. Como o destino é insondável, talvez seja nesses lugares que o amor vai me encontrar e encantar. Talvez.

Enfim, tudo isso são bobagens menores. Principalmente porque, em todo esse passeio (real ou imaginário), estou cantando – da forma mais desafinada possível – alguns versos de uma canção interpretada por Zaz (nascida Isabelle Geoffroy):

Je veux d’l’amour, d’la joie, de la bonne humeur
C’est pas votre argent qui f’ra mon bonheur
Moi j’veux crever la main sur le cœur

(Eu quero amor, alegria, bom humor
Não é o seu dinheiro que me fará feliz
Quero morrer com a mão no coração).

domingo, 18 de agosto de 2019

QUANDO MEUS AVÓS PRESENTEAVAM OS NETOS

Meus avós, Silvano e Henriqueta, costumavam presentear os inúmeros netos no natal e nos aniversários.

(Pausa para um esclarecimento necessário. Nunca tivemos [meus irmãos e eu] a mínima intimidade com os avós naturais. Do lado de minha mãe, faleceram antes que tivéssemos oportunidade de conhecê-los. Do lado de meu pai,... Ah, eles não eram pessoas acessíveis. Simplificando, minha mãe era “filha de criação” do casal citado acima – que adotaram, em momentos diferentes, várias crianças).

Nunca ganhamos dinheiro, brinquedos ou roupas. Isso não fazia parte do ritual. Os presentes eram outros. Meus avós costumavam oferecer ao homenageado latas de pêssegos em calda ou sabonetes. Nunca mudava. Ou era uma coisa ou outra. Minha mãe orientava os filhos para agradecer e sair rapidamente de cena. Reclamações nunca foram permitidas.

Muitas vezes tentei entender o significado desses presentes. Meu avô era conhecido por ser “pão-duro”. Seria essa a explicação ideal? Estou inclinado a pensar que não. A chave de interpretação pode ser outra. Como eles viveram grande parte da vida, no interior (em uma pequena propriedade, lá nos Morrinhos, coração da Coxilha Rica, distante 40 quilômetros do centro da cidade), sabonetes e pêssegos em calda eram raridades naquele lugar. Imagino que – por um processo psíquico elementar – quisessem oferecer aos netos as preciosidades que poucas vezes lhes foi possível consumir.

Descontando o comentário banal sobre o que motivava o ato de presentear os netos, cabe dizer que as recordações daqueles dias longínquos voltaram à tona duas vezes recentemente em uma espécie particular de parodia. 

Na primeira, um exemplo trivial de quem não tem “madeleine” recorda o passado com o que estiver ao alcance do nariz. Em uma dessas lojas de departamento, que vendem de tudo e mais um pouco, ao me aproximar do caixa, senti um aroma gostoso. Não consegui controlar a compulsão e acrescentei duas caixas de sabonetes perfumados (limão siciliano) às compras. Quis – tantos anos depois – substituir o Lux de Luxe (aquele que era usado por nove entre dez estrelas de cinema), o Palmolive ou o Cashmere Bouquet da infância? Não sei. É possível.  

O segundo episódio foi intermediado pela empregada de minha mãe. Ao telefone, falou: “Dona Vina pediu para lhe avisar que está com vontade de comer a sobremesa do Vô Silvano”. Preso pela história comum que tantas vezes quisemos reprimir, fui ao supermercado comprar pêssegos em calda e creme de leite – que foram devorados como se fosse a mais saborosa das iguarias.

Por mais terrível que possa parecer, o tempo costuma nos separar daqueles que amamos. Sobram algumas lembranças fragmentadas  que ficam hibernando em alguma parte da memória. Às vezes,  elas reaparecem e nos nocauteiam.