Páginas

sexta-feira, 6 de maio de 2016

OS LIVROS EM 45 FRASES

– A companhia dos livros dispensa com grande vantagem a dos homens. (Marquês de Maricá)

– Os livros têm os mesmos inimigos que o homem: o fogo, a umidade, os bichos, o tempo e o próprio conteúdo. (Paul Valery)

– Um livro é um brinquedo feito com letras. Ler é brincar. (Rubem Alves)

– Uma casa sem livros é um corpo sem alma. (Marcus Tullius Cícero)

– O livro é um mestre que fala, mas não responde. (Platão)

– Livros e solidão: eis o meu elemento. (Benjamin Franklin)

– Bendito aquele que semeia livros e faz o povo pensar. (Castro Alves)

– Queremos livros que nos afetem como um desastre. Um livro deve ser o machado que quebra o mar gelado em nós. (Franz Kafka)

– Caminhas em direção da solidão. Eu, não. Eu tenho os livros. (Marguerite Duras)

– Um dos principais deveres do homem é cultivar a amizade dos livros. (Thomas Carlyle)

– A vida ideal consiste em ter bons amigos, bons livros e uma consciência sonolenta. (Mark Twain)

– Eu escrevo livros, por isso sei todo o mal que eles fazem. (Leon Tolstói)

– Livros não mudam o mundo. Quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas. (Mário Quintana)

Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever – inclusive a sua própria história. (Bill Gates)

– Para mim, a televisão é muito instrutiva. Quando alguém a liga, corro à estante e pego um bom livro para ler. (Groucho Marx)

– Meu desejo maior é ter uma casa, uma mulher razoável, um gato a passear entre os meus livros e, a todo tempo, amigos. Sem esses prazeres eu não viveria. (Guillaume Apollinaire)

– Ler um livro pela primeira vez é conhecer um novo amigo. Ler um livro pela segunda vez é reencontrar um velho amigo. (Ditado Chinês)

– Livro não é apenas presente. É passado e futuro. (de um anúncio publicitário)

– Livros têm a vantagem de podermos estar ao mesmo tempo sós e acompanhados. (Mário Quintana)

– Em ciência, leia sempre os livros mais novos. Em literatura, os mais velhos. (Millôr Fernandes)

– Há livros de que apenas é preciso provar; outros que têm que se devorar; outros, enfim, mas são poucos, que se tornam indispensáveis, por assim dizer, mastigar e digerir. (Francis Bacon)

– Os livros podem ser divididos em dois grupos: aqueles do momento e aqueles de sempre. (John Ruskin)

– Os livros não se dividem entre morais e imorais: são bem escritos ou mal escritos, eisso é tudo. (Oscar Wilde)

– Todos os bons livros se parecem: são mais reais do que se tivessem acontecido de verdade. (Ernest Hemingway)

– Leio por instruir-me; às vezes por consolar-me. Creio nos livros e adoro-os. (Machado de Assis)

– O livro precisa ser interrogado para que diga o que contém; assim como a harpa precisa ser tocada para se lhe apreciar a voz sonora, e o frasco de perfume necessita de ser aberto para se lhe conhecer a essência que contém. (Eça de Queiroz)

– O livro é um amigo de tamanho razoável que carregamos fácil, que lemos até à luz pálida dos quartos de hotel ou de aviões, que só precisa ter palavras alinhavadas para o prazer de nossa sensibilidade e cérebro, que poderíamos ler em voz alta, como na Idade Média, e que é a vecchia zimarra do espírito. (Paulo Francis)

– Um livro que, após haver demolido tudo, não se destrói a si mesmo, exasperou-nos em vão. (Emil Cioran)

– O propósito do jovem Jean Paul era “escrever livros pra poder comprar livros”. O propósito de nossos jovens escritores é receber livros de presente para poder escrever livros. (Karl Kraus)

– Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante. (Carlos Drummond de Andrade)

– A leitura de todos os bons livros é uma conversação com as mais honestas pessoas dos séculos passados. (René Descartes)

– É bom ter livros de citações. Gravadas na memória, elas inspiram-nos bons pensamentos. (Winston Churchill)

– A arte é tudo – todo o resto é nada. Só um livro é capaz de fazer a eternidade de um povo. (Eça de Queiroz)

– De todos os que preenchem nossa solidão, são os livros os mais anárquicos, os mais instigantes. Leia, e seu silencio ganhará voz. (Martha Medeiros)

– Aqueles que começarem a queimar livros, logo acabarão queimando pessoas. (Heinrich Heine)

– Um livro é um livro; vale o que efetivamente é. (Machado de Assis)

– Um desses livros que, quando a gente larga, não consegue mais pegar. (Millôr Fernandes)

– Pode-se escrever um livro sobre uma nulidade para a qual uma linha já seria uma honra. (Karl Kraus)

– Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com seu amante. (Clarice Lispector)

– Se ao lado da biblioteca houver um jardim, nada faltará. (Marcus Tullius Cícero)

– Sempre imaginei que o paraíso fosse uma espécie de biblioteca. (Jorge Luis Borges)

– Devemos comprar livros não para lê-los, mas para tê-los por perto. (Élio Gaspari)

– Quando penso em todos os livros que ainda me falta ler, tenho certeza de ser feliz. (Jules Rénard)

– Resta lembrar que a vida dos livros é vária como a dos homens. Uns morrem de vinte, outros de cinquenta, outros de cem anos, ou de noventa e nove (...) Ora, esse prolongamento da vida, curto ou longo, é um pequeno retalho da glória. A imortalidade é que é de poucos. (Machado de Assis)

– Os livros também morrem. (Millôr Fernandes)


Nenhum comentário:

Postar um comentário