Páginas

segunda-feira, 4 de março de 2013

OUTRAS QUARENTA E CINCO FRASES DO PADRE ANTONIO VIEIRA


O peso das coisas do mundo não está nelas, todas são vãs, está no coração com que as amamos.

Não há alegria neste mundo que não pague pensão à tristeza.

A perfeição não consiste nos verbos, senão nos advérbios.

A riqueza se faz de muitas pobrezas.

Muitas vezes parecem finezas de amizade o que são ódios refinadíssimos.

O pecado que mais facilmente se comete é a omissão.

Quem serve junto dos reis há de engolir os gemidos.

A sabedoria consumada não só consiste nas coisas que se dizem, senão no modo com que se dizem.

Um grande delito muitas vezes achou piedade: um grande merecimento nunca lhe faltou inveja.

A esperança do prêmio alenta a arriscar a vida.

O que se concede a um porque o pede não se pode negar a outro, ainda que o não peça.

Assim como a honra é o anjo da guarda da virtude: assim é o laço do Demônio para os vícios.

A ousadia é metade da vitória.

O que só apascenta e não defende suas ovelhas não é pastor, é mercenário.

[A] morte é menos forte do que o amor, porque aquela sepulta aos que matou, e este sepulta sem matar.

Para persuadir e convencer, maior é a força da paciência que a dos milagres.

Os homens que são pais têm duas vidas.

Maior é o gosto quando se acham as coisas perdidas do que a sua posse antes de se perderem.

Não é mais pobre quem tem menos, senão quem necessita de mais.

O maior perigo é quando se teme os remédios.

Se há 24 modos de negar, haverá 25 de pedir.

Os remédios do amor são quatro: o tempo, a ausência, a ingratidão e o melhorar do objeto.

O ruim amigo, assim como é inimigo de si mesmo, o é também de seu amigo.

[Os] talentos antigamente significavam dinheiro, e hoje o dinheiro é todos os talentos.

De duas verdades partidas fazem os mentirosos uma mentira inteira.

Quem serve tem alguma hora de descanso: e quem manda, nenhuma.

Ao longe do rei se provam talentos e virtudes dos ministros.

Foi Salomão o mais sábio, não só por saber as ciências, mas também por saber as ignorâncias.

É desgraça dos reis não haver quem lhes diga as verdades.

Rico se não pode chamar quem tem tudo, senão quem não quer nada, porque nenhuma coisa lhe falta.

A causa de todas as ruínas do mundo é não concordarem os homens o seu querer com o seu poder.

Todas as maldições do mundo temporais e eternas foram causadas por uma mulher: não alheia, mas própria.

Cada um ouve conforme o seu coração.

Os sapatos dos reis não pisam, coroam.

[A] soberba e [a] ambição de subir nunca está mais que sobre um pé; tem um pé no lugar que possui, e o outro já vai pelo ar para o lugar que pretende.

É ofício do Sol perseguir sempre as trevas, e conquistar o que elas possuem.

Escribas e fariseus são toupeiras com presunção de lince.

A vida eterna depende do ócio perfeito.

O imprudente se aconselha consigo: o prudente com os homens: o prudentíssimo com Deus.

Não é razão que saiba vencer quem se não sabe vencer da razão.

Quando começou o mandar, então se começaram a encurtar as vidas.

Ver e não remediar é não ver.

Quando os que são olhos da República vêem uma coisa por outra, é certa a ruína.

Saber morrer é a maior façanha.

O pão repartido entre muitos interesseiros não contenta a todos.


5 comentários:

  1. Gosto muito do que escreveu Padre Vieira, gosto de sua escrita, uma verdadeira aula do redigir. Aprecio especialmente os sermões do Mandato, de Santo Antonio aos peixes e o do Bom Ladrão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelino: Lamentavelmente poucos reconhecem a genialidade do Padre Antonio Vieira. Sou fã (de carteirinha)! Abraços!

      Excluir
  2. Genial a seleção, como sempre! Obrigada!

    ResponderExcluir