Páginas

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

GUIMARÃES ROSA: A SABEDORIA DO SERTÃO EM QUARENTA E DUAS FRASES


Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa.

O rio não quer chegar, mas ficar largo e profundo...

O medo é a extrema ignorância em momento muito agudo.

Tudo é real, porque tudo é inventado.

Tudo o que muda a vida vem quieto no escuro, sem preparos de avisar.

Viver é um descuido prosseguido. Mas quem é que sabe como? Viver... o senhor já sabe: viver é etcétera...

Deus come escondido, e o Diabo sai por toda a parte lambendo o prato.

Viver é um rasgar-se e remendar-se.

Quem desconfia fica sábio.

Felicidade se acha é em horinhas de descuido.

Todo abismo é navegável a barquinhos de papel.

O trágico não vem a conta-gotas.

A vida é feita de poucas certezas e muitos dar-se um jeito.

No mais, mesmo, da mesmice, sempre vem a novidade.

O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem...

Viver é muito perigoso... Porque aprender a viver é que é o viver mesmo... Travessia perigosa, mas é a da vida. Sertão que se alteia e abaixa... O mais difícil não é um ser bom e proceder honesto, dificultoso mesmo é um saber definido o que quer, e ter o poder de ir até o rabo da palavra.

Viver de graça é mais barato.

Há pessoas que estão vindo muito demoradas...

De sofrer e de amar, a gente não se desfaz.

Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente aprende.

O passado é que veio até mim, como uma nuvem, vem para ser reconhecido; apenas não estou sabendo decifrá-lo.

Mire veja: o mais importante e bonito, do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas - mas que elas vão sempre mudando.

O que não é Deus, é estado do demônio. Deus existe mesmo quando não há. Mas o demônio não precisa de existir para haver.

Sigo à risca. Me descuido e vou. Quebro a cara. Quebro o coração. Tropeço em mim. Me atolo nos cinco sentidos.

Se a gente puder ir devagarinho como precisa, e ninguém não gritar com a gente para ir depressa demais, então eu acho que nunca que é pesado.

Nunca digas que esqueceste um amor diga apenas que consegue falar nele sem chorar, pois o amor é... inesquecível

Coração de gente - o escuro, escuros.

O verdadeiro amor é um calafrio doce, um susto sem perigos.

Quando eu morrer, que me enterrem na beira do chapadão, contente com minha terra, cansado de tanta guerra, crescido de coração.

O amor? Pássaro que põe ovos de ferro.

O de hoje é um dia que comprei fiado.

Para ódio e amor que dói, amanhã não é consolo.

O mundo é mágico. As pessoas não morrem, ficam encantadas!

Só se pode viver perto de outro, e conhecer outra pessoa, sem perigo de ódio, se a gente tem amor. Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura.

Esperar é reconhecer-se incompleto.

Viver para odiar uma pessoa é o mesmo que passar uma vida inteira dedicado à ela

Merece de a gente aproveitar o que vem e que se pode, o bom da vida é só de chuvisco.

Ninguém é doido. Ou, então, todos.

Quem sabe direito o que uma pessoa é? Antes sendo: julgamento é sempre defeituoso, porque o que a gente julga é o passado.

Amor vem de amor. Digo. Em Diadorim, penso também - mas Diadorim é a minha neblina..

Vou ensinar o que agorinha eu sei, demais: é que a gente pode ficar sempre alegre, alegre, mesmo com toda coisa ruim que acontece acontecendo. A gente deve de poder ficar então mais alegre, mais alegre, por dentro.

Entre as folhas de um livro-de-reza um amor-perfeito cai.

3 comentários:

  1. Raul, que síntese em tudo do tão grande mundo do sertão!

    ResponderExcluir
  2. Adorei as frases. Vou copiar algumas, viver é rasgar-se e remendar-se. O dia de hoje comprei fiado... Otimo mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Você saberia me dizer de que livro é a frase
    "Nunca digas que esqueceste um amor diga apenas que consegue falar nele sem chorar, pois o amor é... inesquecível'.

    ResponderExcluir