Páginas

segunda-feira, 23 de maio de 2011

AFORISMOS DE KARL KRAUS

Não se fazem mais intelectuais como antigamente. Não no sentido romântico do termo. Basta ver alguns chatos engravatados, que andam ditando normas e comportamentos por ai. Cheios de condecorações acadêmicas e um profundo tédio pelo mundo concreto, esses sujeitos se escondem no discurso técnico, que sabe tudo, que domina tudo e tende a resolver os conflitos "administrativamente". Defensores da esterilidade procuram evitar as discussões e as pulsações do desejo. Travestidos de intelectuais, esses fascistas são incapazes de combater o autoritarismo das instituições. Enquanto edulcoram as relações sociais com um discurso ambíguo, fazem o jogo do poder e se locupletam com as migalhas da miséria capitalista.

Karl Kraus (1874−1936) foi o contrário. Importante ativista cultural austríaco, publicou revistas, panfletos, livros. Sem ser cerceado por essa idiotice que é o politicamente correto, tinha opinião sobre tudo e não sentia medo de manifestá−las, notadamente em Die Fackel ("A Tocha") - revista em que, salvo raras exceções, foi o único redator durante quase quarenta anos.
Foi um desses sujeitos que não existem mais e que, independente de certas questões, desafiaram o poder todas as vezes que acharam necessário.

Alguns de seus aforismos ficaram célebres.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

− Muitos desejam me matar. Outros, passar uma horinha conversando comigo. A lei só me protege dos primeiros.

− Mesmo um homem decente pode – contanto que isso jamais se descubra – construir hoje em dia um nome respeitável.

− Antes de suportar a vida, convém tomar anestesia.

− O nacionalismo é o amor que me liga aos imbecis do meu país, aos ofensores dos maus costumes, e aos violadores da minha língua.

−O que são todas as orgias de Baco diante dos êxtases daquele que, desenfreadamente, se entrega à abstinência?

− A perspicácia da polícia é o dom de considerar todo homem capaz de um furto, e a sorte é que a inocência de muitos não pode ser provada.

− Não se pode confiar no esnobe. A obra que ele elogia pode ser boa.

− Ao comer, ele não deixa que nenhum apetite estrague o seu aborrecimento.

− Em casos duvidosos, decida−se pelo correto.

− Ela ingressou no casamento com uma mentira. Era virgem e não lhe disse nada.

− A mulher entra com seu sexo em todos os empreendimentos da vida. Às vezes até no amor.

− Uma mulher que não pode ser feia não é bela.

− Para a perfeição lhe faltava um defeito.

− Ela disse a si mesma: Dormir com ele, sim – mas nenhuma intimidade!

− Maldita lei! A maioria dos meus concidadãos é o triste resultado de um aborto não realizado.

− Nada á mais tacanho que o chauvinismo ou o racismo. Para mim, todos os homens são iguais, em toda parte existem imbecis e tenho igual desprezo para com todos. Mas nada de preconceitos mesquinhos!

− A mulher total engana para ter prazer. A outra tem prazer em enganar.

− Frente às mulheres, a ordem social nos destina a ser mendigo ou ladrão.

− A tarefa da religião: consolar a humanidade que caminha para a forca; a tarefa da política: torná−la desgostosa da vida; a tarefa do humanismo: abreviar a sua espera pela forca e envenenar a comida do carrasco.

− Muitas vezes uma mulher é um substituto perfeitamente utilizável para a auto−satisfação. Naturalmente é preciso uma boa dose de imaginação.

− É preciso ler duas vezes todos os escritores, os bons e os ruins. Os primeiros serão reconhecidos; os outros, desmascarados.

− "Escrever bem", sem personalidade, pode bastar para o jornalismo. Eventualmente, para a ciência. Nunca para a literatura.

− Idéias estão isentas de impostos alfandegários. Mesmo assim, há problemas.

− Medicina: a bolsa e a vida!

Houve um tempo, em passado não muito remoto, que Viena era o centro do mundo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário