Páginas

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

TRINTA FRASES DE MARCO AURÉLIO, O IMPERADOR−FILÓSOFO

A arte da vida se assemelha mais à da luta do que à da dança. Tem de estar sempre alerta e em guarda contra os golpes súbitos e imprevistos.

− Quem é mais hábil na luta, nem sempre é mais devotado ao interesse comum, nem mais modesto, nem mais calmo em face das vicissitudes, nem mais indulgente para os erros do próximo.

Orgulha−se a aranha de apanhar moscas. Tal homem, de apanhar lebres; tal outro, sardinhas na rede; este, um javali; esse, um urso; aquele, alguns sármatas. Estudados os princípios que os norteiam, não poderiam todos ser qualificados de assassinos?

− Passar todo dia como se fora o último, sem agitação, sem moleza, sem falsidade, nisso consiste a perfeição dos costumes.

É necessário ser atento às palavras no discurso quanto ser atento aos atos nos empreendimentos. Procurar no discurso, o objetivo; nos empreendimentos, o sentido.

− Este não é o momento de dissertar sobre o que deve ser o homem de bem, mas sim de começar a viver como homem de bem.

Esquecerás tudo em breve, brevemente todos te esquecerão.

− Preste o máximo de atenção no que dizem. Pelo pensamento, penetra nos acontecimentos e em suas causas.

A respeito da dor: intolerável, mata. Duradoura, é suportável. Concentrando−se, o pensamento se conserva sereno, não permitindo contaminar a porção soberana. Se puder, que digam as partes do nosso ser atingidas pela dor.

− O sentido correto destas palavras ainda é impreciso: roubar, semear, comprar, repousar, prever. Há alguns sentidos que não se distinguem com os olhos, e sim com uma visão bem diversa.

Não tenha para com os inumanos os sentimentos que os homens têm para com os homens.

− Quem são Alexandre, César, Pompeu, em face de Diógenes, Heráclito, Sócrates? Eis que estes últimos conheceram as coisas, suas causas, sua natureza, e conservaram sempre livres suas almas. Aqueles, todavia, que coisas souberam prever? A quantas se escravizaram?

O prazer é entendido a seu modo por cada um. O meu é ter a alma sadia, sem aversão por homem algum nem pelas coisas que aos homens acontecem. Ao contrário, vejo−os com olhos serenos, aceitando−as e dando a cada uma o seu devido valor.

− É diferente do movimento da flecha o movimento do espírito. Entretanto, quando, tomadas todas as precauções, o espírito parte para o exame das coisas, o seu percurso não é menos reto rumo ao alvo.

Todas essas coisas são triviais pela repetição, efêmeras em relação ao tempo, perecíveis por sua matéria. Na época daqueles que enterramos, quanto hoje.

− Sempre vá pelo caminho mais curto. O que segue a natureza é sempre o mais curto. Guia−te, pois pela mais pura razão, no dizer e no fazer. Agindo assim te livrarás de cuidados, de conflitos, e a cálculos e astúcias não terás de recorrer.

É ridículo que o homem não queira fugir dos próprios vícios, o que seria possível. E tenta fugir dos vícios alheios, o que e impossível.

− No senado ou com qualquer um, fala em tom moderado e sem exagero. Faze tua linguagem revelar raciocínio honesto.

Os homens desprezam−se mutuamente, e mutuamente se lisonjeiam. Querem suplantar uns aos outros, e se curvam uns perante outros!

− São passageiros tanto o louvor quanto o louvado.

Uva verde, uva madura, uva passa, tudo é transformação, não para o não−ser, mas para o que ainda não é.

− Da mesma maneira que te apresenta o banho (óleo, suor, sujeira, água viscosa, coisas repugnantes), assim é cada porção da vida e cada objeto.

Não entenda as coisas como as vê aquele que te ofende, tampouco como ele gostaria que as sentisse, mas assimile−as como são realmente.

− Sobre o mesmo altar, muitos grãos de incenso: este caiu primeiro, aquele depois. Tanto faz.

Não te conduzas como se fosse durar milhares de anos. Sobre ti paira o inevitável. Enquanto vives e podes, esforça−te para tornar−te homem de bem.

− Nunca se deixe arrastar pelo torvelinho. Em qualquer situação, visar à justiça; em todo pensamento, objetivar a compreensão.

No repouso que a ti mesmo concedes, sê sóbrio.

− Labora a natureza sempre em favor da utilidade.

Frente a cada ação alheia, crie o hábito de perguntar a ti mesmo, sempre que possível: "Qual a finalidade?" Mas começa por ti. Examina a ti mesmo.

− Ler, não podes mais. Reprimir o orgulho, entretanto, tu o podes. Colocar−te acima da glória vã tu o podes. Não guardar rancor aos insensíveis e ingratos, antes, lhes ser útil, tu o podes.

3 comentários:

  1. − O prazer é entendido a seu modo por cada um. O meu é ter a alma sadia, sem aversão por homem algum nem pelas coisas que aos homens acontecem. Ao contrário, vejo−os com olhos serenos, aceitando−as e dando a cada uma o seu devido valor.

    ResponderExcluir
  2. Lininhaklock: O estoicismo é isso! E Marco Aurélio foi um mestre nessa corrente filosófica! Beijos!

    ResponderExcluir
  3. A essência da vida não está no que é aparente - circunstancial- ou no efêmero do bem querer( nossos desejos).

    ResponderExcluir