Páginas

quinta-feira, 24 de março de 2011

A história incerta dos cinco reis gordos,

- Três reis magros?
A voz enrolada de Antenor só servia para confirmar o óbvio: ele estava na "maior água". E não poderia ser diferente depois de um monte de cervejas e de incontáveis dois-dedinhos - o mínimo e o polegar abertos ao máximo! - de uma amarelinha especial, puro artesanato tipo exportação, made in Luiz Alves.
- Eu disse magros? Hic! Os caras nem reis eram, quanto mais magros!
Eduardo, que era o compositor oficial da escola de samba do bairro, havia tido uma idéia formidável para o enredo do próximo carnaval. E estava tentando explicar para alguns amigos, sem muito sucesso, o seu projeto, quando foi interrompido por Antenor. Claro que não gostou e, com um olhar de desdém, fez a pior pergunta possível na situação: - Desde quando você entende desse tipo de assunto?
- Eu? Hic! Sei tudo! Tudo!
E, para espanto geral, se aproximou do grupo, puxou uma cadeira de metal, dessas que são propaganda de bebida, pediu para o dono do boteco outra dose "daquela que matou o guarda", e começou a contar a sua versão da história.
"No princípio era, o que que era mesmo?, ah, sim, o verbo e o verbo se fez noite de lua cheia, um gato preto cruzou a estrada, quando aquele bando de amigos, cinco, entendeu? cinco, esqueça essa história de três, bem, eles saíram de uma daquelas famosas tendas no meio do deserto, sabe?, uma daquelas, luzinha vermelha e tudo, e, cara, foi uma noitada bárbara, hic, o mínimo que rolou foi o super-strip-tease de Sherazade, que deu o bolo no sultão, nem toda noite é ideal para ficar sussurrando fábulas bobas no ouvido de um velho senil, vocês não acham?, hic! A garota começou com a dança dos sete véus e depois, por Alá!, desvelou até a alma, uma loucura! Isso pra não falar de... pô, cara, Maria Madalena era afamadíssima nas sutilezas do negócio (alegrava corações, ou equivalentes, e esvaziava bolsos, ou equivalentes) e às vezes fazia ponto naquele oásis, os beduínos assanhados com um material de primeira, que a moça embora fosse do ramo não descuidava da forma física, banquete pra quatrocentos talheres - no mínimo! Pois bem, mas não vamos muito longe nessa lengalenga e como eu estava contando, hic, o pessoal saiu da tenda, logo depois do show da pop star Salomé, que cantou os seus últimos sucessos, inclusive o inesquecível clássico "A Cabeça de João Batista é Minha". Isso foi lá pelas cinco da matina, hic, se é que podemos confiar no urro matinal do camelo-despertador. Claro, a turma já estava pra lá de Marrakesh (uma grande cidade, hic!, diga-se de passagem), e estava vendo as coisas meio assim em duplicata, tá me entendendo?, tudo multicolorido, mór festerê. Era só alegria! Por isso é que se fez um silêncio inesperado, quando escutaram, na direção da estrela do Oriente, a criança chorar. Belchior, que alguns séculos depois seria conhecido como um grande cantor nordestino, era o que estava em melhores (ou piores, depende do ponto de vista) condições para avaliar a situação. Por estas e outras, hic, é que foi nomeado embaixador plenipotenciário para averiguar os fatos e fazer um relatório completo aos demais, inclusive para o grande campeão do rali Paris-Dakar, Mohamed Ali-Babá, que justo naquele momento, hic, estava sonhando acordado nos braços de Savannah (como todos nós sabemos, mais tarde ela se transformaria em atriz do cinema pornô - mas... convenhamos, essas notas espetaculares, típicas da revista fajuta "Rostos" ou será "Faces"? nada têm a ver, a haver com a nossa história!). Enquanto cantarolava um mantra contra o medo, o nosso anti-herói se aproximou da estrebaria onde várias pessoas, além de inúmeros animais (ou será que foi o contrário?), se aqueciam ao redor de uma pequena fogueira. Foi recebido por diversos gritos entusiasmados: Shalon!; Salamaleicon! (sic); Paz e amor, bicho!; Qualéquiéatua, bróder? (sic!);... E como, naquela tchurma, corria um vinho maneiro, hic!, foi se chegando, assim como quem não qué nada, mas se pintar um lance legal a gente tá aí prisso memo, mermão, tá sabendo? Enquanto isso, o resto do pessoal ficou a esperar pelas novas ­ que não vieram, novas ou velhas. Melquiades, que era do tipo pavio curto, perdeu a paciência que não tinha, e na companhia de Isaac, foi à luta, digo, foi ver o que estava acontecendo. Encontrou o desaparecido em decúbito dorsal, vestindo organdi azul. Hic! Epa, acho que embolei o meio-de-campo! Apaga essa história de decúbito dorsal, hic, e organdi rosinha, pô, cara, isso pega mal e não está mais aqui quem falou, tá sabendo? Belchior estava lá, alegre e faceiro, tomando um Chateau Rothschild, safra de mil novecentos e sei lá que ano, numa fina taça de cristal italiano, lapidado, cantarolando o seu medo de avião. Por isso mesmo é que quase foi lapidado, o tijolo passou a uns cinco milímetros da orelha esquerda, a big shot, como dizia aquele coronel americano especialista em segurança nacional e que ancorou em Pindorama, hic, sutilezas do final dos anos 60, hic, repressão também é cultura, hic, manjou o potencial do potentado? Não sei não, acho que o cara devia se inscrever em um desses concursos de tiro ao alvo, ganhava fácil the first prize, não tenho dúvidas. E, se corresse algum por fora, quem sabe salvasse um pouco das nossas, perdão, das minhas dívidas, hic. Viver é perigoso já anunciava um personagem do velho Guima, cês tão lembrado? Para falar em lembranças, onde é mesmo que eu estava na história dos gordos? Os cinco reis gordos. Ho, ho, ho, ho, ho! Hic, hic, hic, hic, hic! Ah, sim, o tijolaço! Pois é, seu Mané, o Belchior havia se enturmado, uma odalisca aqui, uma musiquinha ali, bandejas de quibe e tabule sendo servidas para os convivas, e como já estava meio chumbado, hic, ou melhor, hip-hip-hurra!, foi ficando pelos cantos do recinto, mamando o seu alcoólico suquinho de uva, sem lembrar dos outros que ficaram esperando por alvissareiras notícias. Baita irresponsabilidade, concordo. Só voltou ao mundo real quando sentiu o tijolo tirando fino da orelhinha que mamãe (a dele!) beijou e passou talquinho. Na hora que entendeu que o que estava acontecendo não era nenhum cafuné, sentiu um frio na barriga e aquela sensação só possível em quem chega ao cinema depois que o filme já começou e, sem escolha, demora uns dez minutos para tomar pé do que está acontecendo na tela. Nesse intervalo, Melquiades encontrou-se com um velho conhecido, o Aderaldo, o ceguinho Aderaldo, célebre cantador da famosa banda de rock "Pilatho's Guilt". Trocaram figurinhas e fofocas. Hic. Mais fofocas do que figurinhas, if you understand me. Hic. Saíram coisas do balacobaco, podes crê!, inclusive as últimas na corte de Herodes, o Antipático, que agora estava cheio de idéias, hic, estranhas, um medo pânico e que as profecias do Livro de Nostradamus se cumprissem. Como o final do mundo ainda vai demorar, hic, e eles não estavam com pressa, o melhor caminho para curtir a vida foi chamar a turba, até porque estava quase começando o happy hour e ia haver uma canja com o Zorba, a cueca, perdão, houve um engano, eu queria dizer: Zorba, o grego, o dançarino de ballet mais famoso da antiguidade. "Delírios Espartanos", o seu último show é imperdível - of course. Pois é, happy hour às seis horas da manhã, hic, vê se pode? Mas, nem ligue, porque se non é vero, é bene trovatto, tem essas bossas de fusos horários, hábitos culturais e a vontade insaciável de acabar com aquele horrível gosto de guarda-chuva na boca. A humanidade está três drinks abaixo do normal e o motivo daquela reunião social, uma criança recém-nascida, parecia até estar gostando do agito, havia há muito parado de chorar e até um certo abanar dos bracinhos era possível ver lá dentro da manjedoura, embora fosse hora de criança estar dormindo - mas quem conseguiria isso no meio daquela algazarra? E aproveitando o momento, hic, os cinco bêbados, bêbados?, não, os cinco gordos - cara, só de pensar em transportar algum deles tinha dromedário pedindo aposentadoria antecipada! - pois é, os cinco gordos, alegres como só podem ser os gordos, hic, ao sentirem, no ar, um cheiro de churrasco (vários pombos estavam sendo imolados em augúrio ao parto bem sucedido), resolveram ofertar para o infante alguns presentinhos, meras lembranças de circunstância. Belchior entregou um CD com os seus maiores sucessos; Mohamed, um talismã de marfim, com poderes afrodisíacos; Melquiades, uma coleção completa dos discursos de Moshe Dayan; Hic, Isaac, uma coleção completa dos discursos de Yasser Arafat; e Ananias, que até agora não havia sido mencionado nesta história, entregou, com toda pompa e circunstância, uma pequena caixa de cobre com enfeites de jade - recomendou que a caixa só poderia ser aberta quando o garoto atingisse a maioridade (duas semanas mais tarde, quando o menino foi viver, junto com seus pais, na Galiléia, a caixa desapareceu no meio do deserto e o mistério sobre o que dentro dela havia ainda perdura nos dias de hoje). Depois, aproveitando o nascer-do-sol, que foi, hic, magnífico, houve um grande arrasta-pé, todo mundo balançando o esqueleto, saturday night fever, se me permitem a citação pseudomusical. Uma hora depois, quando acabou o estoque de, como direi?, energéticos, hic, e eu não estou falando de Gatorade ou de Flying Horse, essas bobagens que a juventude bebe para alimentar o espelho das vaidades. A solução, para tão triste sina, foi se despedir de todos, foi um prazer, hic, te conhecer, beijinho, beijinho e tchau, tchau, e chamar um táxi, perdão, vários táxis e partir para Jerusalém. Claro que a festa continuou por lá. Durante vários dias. Alegria, alegria".

Nenhum comentário:

Postar um comentário